Pesquisa personalizada

TV e VÍDEO

««« DOIS CLIQUES PARA ASSISTIR EM TELA CHEIA »»»

Atualização nos Satélites

Dica

:- SE OS VÍDEOS ESTIVEREM TRAVANDO, ASSISTA EM TELA CHEIA !!!!

«« RTP Internacional - PORTUGAL »»





















































sábado, 21 de julho de 2012

A ONDA RELIGIOSA - Pe Zézinho

Link - http://www.padrezezinhoscj.com/wallwp/archives/6937


Perguntaram-me dois jornalistas de periódico do interior se, como sacerdote católico, não me preocupava o fato de que naqueles dias Lula, católico declarado e amicíssimo de Frei Beto, se abrira mais para os evangélicos; de o seu vice ser de um partido majoritariamente evangélico e ainda, se não me preocupava o crescimento deles e o encolhimento da Igreja Católica.


Pedi tempo para não responder em apenas uma sentença. O assunto é fundamental e a resposta não cabe numa frase de efeito. Entre outras coisas eu disse citando Bento XVI que as estatísticas não devem ser a preocupação número um da Igreja e sim o conteúdo da sua mensagem, nem que percamos por algumas décadas ou séculos.


Disse-o em outras palavras a Peter Seewald no livro “ O Sal da Terra”. Também Jesus chamou os seus seguidores de pequeno rebanho.((Lc 12,32) Por um tempo, certos grupos de extração evangélica e pentecostal eram o pequeno rebanho. Ultimamente estão menos pequenos, embora alguns andem maquiando a estatísticas para parecerem maiores do que são. Mas certamente cresceram e, pelo visto, crescerão muito. Espero que cresçam sadios e pacíficos, porque os religiosos donos da verdade, e isso inclui minha igreja, já criaram muitas guerras por espaço e por dominação. 

 
É claro que me preocupa, mas inquieto-me bem menos pelo crescimento dos outros do que pela diminuição dos nossos. São irmãos e irmãs que preferem ouvir outros púlpitos, outros pregadores e outras garantias de salvação em Jesus, motivados por outros testemunhos e outras leituras do evangelho. Trocaram o padre pelo pastor. Preferiram outro rebanho. Aceitaram ser apascentadas por reverendos pastores em outros rebanhos porque acreditaram no seu discurso de que têm mais Cristo a oferecer. Talvez tenham. O tempo o dirá. O fato é que hoje eles acreditam mais nos bispos e pastores do eu- anguélion: (a boa nova) do que nos bispos e padres do cat-holou ( abrangente, para todos). Não querem mais o enorme colo da Igreja Católica e acham-se mais bem cuidados no colo às vezes pequeno de um rebanho pentecostal ou evangélico.


Como a vida e a fé tem vais-e-vens, nós que estamos no mundo há milênios e no Brasil há 500 anos sabemos a força e o poder do novo, contado e mostrado de um novo jeito, e através de poderosos novos veículos. Enfrentamos isso umas duzentas vezes com grupos dissidentes que nasceram entre nós e se tornaram igrejas sem nós ou contra nós.


O marketing religioso feito com grande competência por estes irmãos de outras igrejas certamente tem muito a ver com o seu crescimento. Se bancos, palhas de aço, sabonetes e cremes passam a ter milhões de compradores, e artistas, milhões de fãs, porque apareceram na mídia, porque não uma Igreja?


Se é certo ou errado é assunto para outra conversa. Por enquanto registre-se o fato: as igrejas que foram à mídia estão colhendo o resultado. Qual será o resultado do resultado daqui a 50 anos? Quem viver verá! Quanto à presença de pregadores da fé no Congresso e na política, o leitor já está vendo os resultados. Parece que os eleitos com o voto dos seus fiéis não têm se portado de maneira mais ética do que os outros. O nome de muitos deles estava lá ao lado de congressistas católicos nas acusações de malversação das verbas do povo. Pelo jeito nossas igrejas falharam na escolha dos seus fiéis que decidiram ingressar na política. Talvez falte em todas as igrejas uma catequese mais profunda sobre o quem é o dono dos bens de um país.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Canales Deportes y Películas

««« SAT TOTAL REPLAY »»»

Arquivos do BLOG

CANAL SAPO VÍDEOS

Atualize por e-mail